Continente é o primeiro retalhista a adicionar o selo da Too Good To Go aos seus produtos

Grande Consumo




O Continente é o primeiro retalhista, a nível ibérico, a adicionar o selo “Antes de Desperdiçar: Observar, Cheirar, Provar”, aos seus produtos de marca própria. Esta iniciativa, desenvolvida pela app Too Good To Go, conta já com mais de 39 marcas parceiras em Portugal e mais de 465 parceiros em 12 dos 17 países em que a aplicação opera.


No âmbito da sua estratégia de combate ao desperdício alimentar, o Continente começa um processo de alteração de rótulos de durabilidade mínima, numa seleção dos seus produtos de marca própria, que passarão, de forma gradual, a incluir este selo, desenvolvido pela Too Good To Go. Até ao final deste ano, os clientes podem encontrar este selo numa seleção de produtos de marca própria do Continente.


O Continente vai destacar a mensagem desta iniciativa e a importância da mesma, através de uma campanha de sensibilização conjunta, entre o Continente e a app Too Good To Go, implementada nas lojas da marca, de norte a sul do país.


Mariana Pereira da Silva, diretora de sustentabilidade da MC, explica que “enquanto retalhista líder, sabemos que o nosso dever é encontrar e implementar medidas que procurem minimizar o impacto da nossa atividade, sensibilizando também fornecedores, parceiros, colaboradores e clientes para a importância do contributo geral. No âmbito da estratégia de combate ao desperdício alimentar da MC, e atendendo à posição que ocupamos na cadeia de valor, temos vindo a dinamizar parcerias entre a produção, a indústria e o retalho que permitem desenvolver importantes projetos de inovação e circularidade e combater o desperdício“.

Desperdício alimentar


De acordo com os primeiros dados oficiais publicados, em Portugal, sobre o desperdício alimentar, num inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), foram desperdiçadas 1,9 milhões de toneladas de alimentos, em 2020, ou seja, 183,6 quilos de comida desperdiçada por habitante, em 2020.


Se compararmos com o estudo desenvolvido pelo PERDA, em 2012, que apontava para um milhão de toneladas desperdiçadas, encontramo-nos, claramente, num cenário muito acima do esperado para cumprirmos metas de desenvolvimento sustentável”, refere Nuno Plácido, Country Manager da Too Good To Go.


Segundo o mesmo inquérito, dois terços desse desperdício aconteceu em casa, comportamento que a Too Good To Go pretende ajudar a mudar com a aplicação deste selo de sensibilização.


A MC também tem vindo a implementar mecanismos para acelerar o escoamento de produtos e evitar toneladas de desperdício alimentar. “Destacamos a sinalização de artigos próximos do fim da validade com etiquetas rosa, a criação das Caixas Zer0% Desperdício, o estabelecimento de parcerias como a que temos com a Too Good to Go e o programa de doações de excedentes alimentares junto da comunidade e dos nossos colaboradores. Estas medidas permitiram-nos evitar mais de 37 milhões de euros de desperdício alimentar, no último ano. No combate ao desperdício alimentar, apenas com uma ação concertada será possível encontrar respostas assertivas e eficazes, capazes de promover uma alteração de paradigma. Acreditamos que esta iniciativa terá um impacto muito positivo na agenda do combate ao desperdício alimentar”, conclui Mariana Pereira da Silva.






10 milhões de unidades


Em Portugal, contabilizam-se já cerca de 10 milhões de unidades de produtos a circular com o selo da Too Good To Go. Com a adesão do Continente a esta iniciativa, somam-se milhares de unidades de produto que entrarão na casa dos portugueses com esta mensagem de alerta de sensibilização de combate ao desperdício alimentar.


Para Nuno Plácido, esta iniciativa surge com um propósito claro: “ajudar os consumidores a interpretar e a distinguir as diferenças entre datas de validade dos produtos alimentares. E possibilitar também às marcas parceiras a oportunidade de terem um papel mais ativo e presente, num processo de educação e sensibilização conjunta, cada vez mais necessário, face à importância da redução do desperdício alimentar.”


O mote é, portanto, relembrar o consumidor que o melhor método para atestar a qualidade de certos produtos são os seus próprios sentidos. Antes de desperdiçar um alimento com rótulo de data de durabilidade mínima – “Consumir de preferência antes de” ou “Consumir de preferência antes do fim de” – pode e deve, caso o produto tenha sido conservado corretamente, observar e verificar se tem bom aspeto, cheirar e comprovar se mantém o odor habitual e, por fim, provar e verificar se não existe qualquer alteração no sabor. Se o alimento passar nestes três testes, significa que mantém a sua qualidade e pode ser consumido.


O teste dos sentidos não deve, no entanto, ser aplicado em produtos com data de consumo limite, ou seja, “Consumir até”.


|Fonte: Grande Consumo, 19 Outubro 2022

6 views