48 ESTATÍSTICAS DE RESÍDUOS ALIMENTARES 2020/2021: CAUSAS, IMPACTO E SOLUÇÕES

Escrito por Arthur Zuckerman


7 Maio 2020 Comparecamp



O desperdício alimentar é um problema global que tem todas as características de uma solução para outra questão: a fome global. No entanto, os governos do mundo parecem impotentes para abordar ambas as questões com poucos ou nenhuns ganhos, se é que há algum, de que se possa falar.


Onde quase mil milhões passam fome em todo o mundo, um terço dos nossos alimentos perde-se para o desperdício. Sem dúvida, estamos a produzir alimentos suficientes para nos alimentar a todos. O problema reside na distribuição. E não é surpreendente num mundo de diversos sistemas políticos, económicos e sociais.


Mesmo assim, os decisores políticos, governos, organismos mundiais, e outras partes interessadas farão bem em compreender as complexidades do desperdício alimentar. E começa com a obtenção de um quadro geral correto.


Neste artigo, recolhemos estatísticas de resíduos alimentares sobre as causas, dinâmicas e potenciais objetivos relevantes para os resíduos alimentares. Quer esteja a modelar um programa global para a ONU ou um pai que queira reduzir o desperdício em cada refeição, estas estatísticas podem orientá-lo.



Estatísticas de resíduos alimentares

  1. O Grande Quadro

  2. Onde os resíduos alimentares acontecem

  3. Impacto dos resíduos alimentares

  4. O que o futuro nos reserva

  5. Objetivos & Soluções


O Grande Quadro


Neste artigo, recolhemos estatísticas de resíduos alimentares sobre as causas, dinâmicas e potenciais objetivos relevantes para os resíduos alimentares. Quer esteja a modelar um programa global para a ONU ou um pai que queira reduzir o desperdício em cada refeição, estas estatísticas podem orientá-lo.


O Departamento de Agricultura dos EUA alargou a definição de resíduos alimentares desde a perda pós-colheita até qualquer perda de massa alimentar comestível ao longo de toda a cadeia alimentar. Isto é significativo, pois grande parte do desperdício acontece mesmo antes de os alimentos chegarem ao nosso prato. Então, quanta comida é que desperdiçamos realmente?


Cerca de um terço dos alimentos do mundo é perdido para o desperdício ou 1,3 mil milhões de toneladas por ano.

Em termos micro, cerca de 1.000 toneladas de alimentos são desperdiçadas a cada minuto.

Estima-se que até 50% dos alimentos são perdidos apenas na fase de produção.

Em termos reais, são cerca de 1,6 mil milhões de toneladas de produtos alimentares crus que nunca se transformaram em alimentos consumíveis para alimentar os famintos.

Tudo isto foi desperdiçado face a mais de 8 milhões de pessoas em todo o mundo que sofrem de fome e subnutrição.

Poupar apenas um quarto do volume total global de resíduos alimentares pode alimentar todos os famintos do mundo.


Quanta comida desperdiçamos?


Desperdício de alimentos - 33%

Alimentos consumidos - 67%



Quem faz mais comida?


Os principais produtores de alimentos são a China, Índia, EUA e Brasil, por ordem de classificação. Todos os quatro países pertencem às cinco nações mais populosas do topo.

Os três principais alimentos produzidos em todo o mundo são milho, arroz e trigo.


Só a China produz 219 milhões de toneladas de milho e 205 milhões de toneladas de arroz por ano.


Entretanto, o milho é o alimento mais produzido nos EUA, com 354 milhões de toneladas por ano.


Na Índia, os principais produtos alimentares são a cana-de-açúcar, com 341 milhões de toneladas por ano.



Alimentos de Topo Abrangendo a Ingestão Calórica Total Global


19,5% - Milho

16,5% - Arroz

15% - Trigo

2,6% - Mandioca

2,1% - Soja

1,7% - Batatas

1,2% - Sorgo

0,6% - Batata doce

0,4% - Inhames

0,3% - Plátano

0.4% - Inhames



Onde os resíduos alimentares acontecem


Por país


Os resíduos alimentares nos países desenvolvidos e países em desenvolvimento variam significativamente não só em números reais, mas também onde os resíduos acontecem.


As regiões que mais desperdiçam alimentos por ordem de volume são a América do Norte & Austrália/Nova Zelândia, Europa/Rússia, e Ásia Oriental.

Grande parte do desperdício alimentar nos países desenvolvidos ocorre a nível do consumidor.

Em comparação, os países em desenvolvimento perdem alimentos na fase de produção devido a instalações ineficientes ou inadequadas, logística e gestão agrícola.

Em termos económicos, os países desenvolvidos desperdiçam cerca de 680 mil milhões de dólares em resíduos alimentares por ano em comparação com 310 mil milhões de dólares nos países em desenvolvimento.


Por cadeia de abastecimento


Os resíduos alimentares ocorrem em duas fases principais: a nível da produção e a nível da venda a retalho ou do consumo. O USDA identifica ainda enormes perdas que ocorrem na fase de produção, tais como na secagem, moagem, transporte, e processamento de matérias-primas alimentares.


75% dos resíduos alimentares acontecem ao nível da produção, manuseamento pós-colheita e armazenamento.

Mais de 500 milhões de toneladas são perdidas devido a pragas nas culturas e a colheitas e irrigação ineficientes. Isto torna a produção como a maior fonte de desperdício alimentar.

Estima-se que mais 350 milhões de toneladas sejam perdidas devido ao manuseamento e armazenamento pós-colheita.

As principais causas de resíduos alimentares no processamento são insectos, aves, roedores, bolores e bactérias.

As principais causas de desperdício alimentar a nível retalhista incluem equipamento defeituoso, abate de produtos, e pedidos em excesso.

Supermercados, lojas e lares compreendem 35% dos resíduos alimentares. Grande parte dos alimentos deitados fora a nível do consumo são próprios para comer.


Onde os resíduos alimentares estão a acontecer


33% - Produção Agrícola

54% - Pós-colheita & Armazenamento

46% - Processamento, Consumo, Distribuição


Fonte: FAO



Por fatores comportamentais


Na era da correção socioambiental, porque é que as pessoas desperdiçam alimentos de forma irresponsável? Um estudo aponta para uma falta geral de consciência sobre o desperdício de alimentos entre nós.


O baixo estigma do desperdício alimentar, pelo contrário, resulta em pessoas que não atribuem valor à poupança de alimentos, tanto quanto à poupança de energia. De facto, o estudo concluiu que apenas 3% dos inquiridos se sentem culpados por deitar fora os alimentos.

Isto, em contraste com o facto de que 74% apagariam as luzes, e 55% desligariam o aquecimento para poupar energia e dinheiro. Mas ao mesmo grupo falta uma rotina ou hábito de reduzir o desperdício alimentar.

Do mesmo modo, a questão do excesso de encomendas identificada pelo USDA é corroborada neste estudo, onde as pessoas compram mais do que o suficiente de alimentos que podem consumir. 95% afirmam congelar os alimentos para consumo posterior, enquanto 74% sentem-se confiantes de reutilizar as sobras. No entanto, 37% dos inquiridos não utilizam restos de comida.

Aqueles que reutilizam as sobras poupam cerca de 324 dólares por ano.



Impacto dos resíduos alimentares


O impacto social e económico dos resíduos alimentares é fácil de ver para muitos. O desperdício alimentar voa perante a fome global, enquanto que o custo em dólares é mais ou menos exacto.


Perdemos anualmente 750 mil milhões de dólares em resíduos alimentares, excluindo peixe e marisco.

O custo total dos resíduos alimentares é estimado em 1 trilião de dólares.

O que é largamente ignorado é o impacto ambiental dos resíduos alimentares. Os resíduos alimentares criam emissões com efeito de estufa. Da mesma forma, significa que a energia, terra arável, água e capital humano nela lançados que poderiam ter sido utilizados de outra forma para fins produtivos, são desperdiçados.



Impacto ambiental


Sabia que até 30% dos gases com efeito de estufa são atribuídos ao sistema alimentar mundial? Isto torna o desperdício alimentar, que faz parte deste sistema, não apenas uma questão socioeconómica, mas uma questão que causa estragos na natureza.


Os resíduos alimentares libertam para a atmosfera cerca de 3,3 mil milhões de toneladas de CO2 por ano ou cerca de 1.000 toneladas de CO2 por minuto.


Se o desperdício alimentar é um país, vem em terceiro lugar, depois da China e dos EUA, na emissão total de gases com efeito de estufa, excluindo as alterações no uso do solo.


Os resíduos alimentares também exercem pressão sobre os recursos hídricos. Os resíduos alimentares consumiram 250 quilómetros quadrados de água doce ou, colocado noutra perspectiva, um quarto da água doce global perde-se desnecessariamente.


Justificar esta perda de água doce contra os 4 mil milhões de pessoas que estão projectadas para viver em lugares com grave escassez de água até 2050.


Quanto ao uso da terra, cerca de 1,4 mil milhões de hectares de terra arável - ou do tamanho dos EUA, Índia e Egipto combinados - estão empenhados em alimentos que nunca serão consumidos todos os anos.



Quanta água é consumida pelos alimentos comuns por Kg:


17196 - Chocolate

15415 - Carne bovina

10412 - Carne ovina

5988 - Carne de porco

5553 - Manteiga

4325 - Carne de frango

3178 - Queijo

3025 - Azeitonas

2497 - Arroz

1849 - Massas


Fonte: Relatório Alimentar Global



O que o futuro nos reserva


Se não fizermos nada, só agravaremos o fosso entre o desperdício alimentar e a fome global, tendo em conta estes números.


Prevê-se que a população mundial atinja 9,5 mil milhões de pessoas até 2075.

Ou, mais perto da nossa linha temporal, mais 2 mil milhões de pessoas terão de ser alimentadas entre este ano e 2050.


Precisamos de produzir 69% mais calorias alimentares em 2050 em relação aos níveis de 2006, se quisermos colmatar a lacuna.



Objetivos & Soluções


A redução dos resíduos alimentares deve ser feita ao nível da produção e do consumo ou do que outros tinham cunhado, entre o campo e a forquilha, para ter impacto numa mudança. O USDA encapsula esta solução simples: a melhor abordagem para reduzir os desperdícios alimentares não é, em primeiro lugar, criá-los.


Mesmo sem aumentar a produção alimentar, podemos alimentar os 2 mil milhões de pessoas adicionais de agora até 2050 simplesmente não deitando fora os alimentos.


Outros peritos acreditam que se conseguirmos reduzir os nossos desperdícios alimentares mesmo para metade, podemos colmatar a lacuna alimentar em 20% até 2050.


O USDA pretende reduzir os resíduos alimentares no país em 50% até 2030. No entanto, não tem um único valor de base para os resíduos alimentares.


A Agência de Proteção Ambiental dos EUA, por outro lado, visa uma redução de 50% nos resíduos alimentares destinados a aterros sanitários ou, especificamente, para 109,4 libras por pessoa por ano.


As soluções de resíduos alimentares mais preferidas são a redução da fonte, a alimentação de pessoas com fome, e a alimentação de animais. Os menos preferidos são os usos industriais, compostagem e incineração de aterros.


Entre os objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU até 2030 está a redução para metade do total global de resíduos alimentares ao nível do retalho e do consumo per capita.

No entanto, o retalho e o consumo representam apenas um terço do total de resíduos alimentares, o que significa que os resíduos alimentares podem ainda aumentar mesmo que o objectivo da ONU seja atingido.


O direcionamento do nível de produção terá um melhor impacto na redução dos resíduos alimentares. Algumas das soluções eficazes implementadas nas nações desenvolvidas incluem a melhoria das infraestruturas, transporte e sistemas de armazenamento.

Não quer dizer que a questão do desperdício alimentar a nível do consumidor não deva ser abordada. Uma das formas de combater o desperdício alimentar a este nível é criar incentivos para os consumidores.


Outra solução ao nível do retalho é através da recolha de alimentos excedentários, onde os excedentes alimentares são recolhidos em mercearias, restaurantes, jardins, quintas e mercados de agricultores e redistribuídos aos necessitados.


O USDA e a EPA tinham lançado o US Food Loss and Waste 2030 Champions composto por empresas e organizações que se comprometem publicamente a reduzir os resíduos alimentares em 50% até 2030.


O desperdício alimentar, como parte de programas de rubis para energia, é outra solução a ser pensada. O mercado global de energia proveniente de resíduos está projetado em 37,64 mil milhões de dólares em 2020. Isto inclui matéria-prima 100% biodegradável, utilizando micróbios para converter os resíduos alimentares em biocombustíveis.



Podemos resolver os resíduos alimentares?


É absurdo que tenhamos um problema global de desperdício alimentar no meio da fome global. É como ter uma cidade inundada sentada ao lado de uma terra agrícola atingida pela seca. A solução está a olhar-nos de frente - basta desviar o excesso de água para as terras secas, e resolve-se dois problemas com uma só pedra.


Mas, para os peritos, essa solução é mais simplista do que simples. A dinâmica por detrás do nosso sistema de produção alimentar é complexa, não menos importante o impacto político, social e económico em todo o mundo sobre a forma como produzimos alimentos, e em que medida.


No entanto, o problema não é intransponível. Tal como a nossa experiência com a energia, começa com a consciência. Com uma compreensão clara do problema, podemos enquadrar os próximos passos certos, tanto a nível político como doméstico. Já temos um precedente na forma como os governos e as empresas hoje em dia investem tempo, esforço e dinheiro em energias renováveis, ao mesmo tempo que se assegura de apagar as luzes quando se sai do quarto.


Referências:


USDA

Pegada de desperdício alimentar: Impactos nos recursos naturais (FAO)

TheWorldCounts.com

Instituto de Engenheiros Mecânicos

Perdas e Resíduos Alimentares Globais (FAO)

4 Países que produzem a maioria dos alimentos

Quais são os alimentos básicos mais importantes do mundo?

Global Food Waste (Resíduos Alimentares Globais): Um problema para o ambiente e a sociedade

A vida moderna é um lixo: Estudo de Resíduos Alimentares Encontra Apenas 3% Sentir Estigma

Perdas e Resíduos Alimentares

8 Fatos a Saber sobre Resíduos Alimentares e Fome

ALIMENTAÇÃO GLOBAL: NÃO DESPERDIÇAR, NÃO QUERER.

Factos e Números sobre Materiais, Resíduos e Reciclagem

Vamos apanhar!

O futuro do desperdício: cinco coisas a procurar até 2025




Fonte: Comparecamp

154 views