Despensa e frigorífico desarrumados? As dicas que arrumam com zero desperdício

Se olha para a cozinha e pensa que está tudo num caos, saiba como pode contrariar essa tendência, em apenas sete passos. Uma tarefa mais fácil do que se pensa, aliada à reutilização e a um menor desperdício alimentar.

mw-960.jpeg

Depois das compras, o processo é comum: arrumar tudo no seu respetivo lugar, quer nos armários da cozinha ou despensa, quer no frigorífico. Mas quantas vezes vê esse procedimento cansativo, sobretudo depois de umas longas horas no supermercado, acabando por querer despachar rapidamente a tarefa?

Isso pode levar a que, no final, se tenha a comida colocada de forma aleatória pela cozinha, com alguma desorganização pelo meio. Mais tarde, o resultado só pode ser um só pode ser um: embalagens, sacos, e caixas acumuladas no fundo dos armários, ainda com comida, mas já esquecidos. Quando finalmente se dá por isso, acaba por ir tudo para o lixo. Contrariar esta tendência é perceber que a organização das despensas e frigoríficos é tornar o ambiente da cozinha mais equilibrado e acolhedor, aumentando a responsabilidade perante o combate a desperdícios.

“O frigorífico e a despensa são poderosos aliados que temos em casa para combatermos o desperdício alimentar. Muitas vezes, nós em quanto consumidores fazemos parte do problema, mas a verdade é que podemos antes fazer parte da solução”. Eunice Maia, uma das criadoras da marca ‘Maria Granel’ – mercearia biológica que também dinamiza a mensagem do combate ao desperdício – fala sobre como todos se podem tornar agentes ativos nesta preocupação, simplesmente através de uma melhor organização da cozinha. E como o fazer? Eis os sete passos que deve seguir:

 

mw-680.jpeg

1) Fazer uma auditoria: 

A primeira tarefa passa por arranjar tempo e vontade para olhar para a despensa e frigorífico, e fazer um levantamento daquilo que se encontra. “É tirar tudo para um balcão, avaliar o estado em que se encontram os alimentos, verificar validades, as quantidades ainda disponíveis, e depois, começar logo a pensar em como reutilizar, ao retirar os produtos das embalagens”. Com a reutilização vem, de seguida, uma arrumação mais equilibrada na cozinha;

2) Colocar tudo em frascos e recipientes: 

E funciona quase como um dois em um. Não só está a conseguir reutilizar muitos utensílios que certamente encontra por casa, como a fazer uma arrumação mais correta dos produtos na despensa e frigorífico. “Se preferirmos pela utilização de frascos, a maioria transparentes, conseguimos ver muito melhor aquilo que temos, e não só fica tudo com um aspeto mais equilibrado e bonito, como estamos desde logo a controlar qual é que é o estado desses produtos”;

3) Utilização inteligente:

Como organizar os frascos de forma prática – “Nos frascos maiores, colocar sempre os produtos com mais rotatividade, como por exemplo o arroz ou o açúcar. Já nos frascos mais pequenos, colocar aqueles produtos com menos rotatividade, ou que se apelidam de mais sensíveis ou suscetíveis, como as especiarias ou as sementes”;

4) Assinalar aquilo que precisa de ser consumido mais rapidamente:

Com os alimentos colocados em frascos ou noutros recipientes, surge mais um benefício – “Estamos a fazer um controlo cuidado sobre as validades dos produtos, e sabemos logo que aquilo que está à vista, ou assinalado, tem um consumo mais urgente”;

5) Verificar sempre a temperatura dos frigoríficos:

Não é a pensar apenas neste lado mais amigo do ambiente, mas também no estado em que se conservam os alimentos, para uma duração ajustada às validades. “É importante regular a temperatura, mas mantendo-a sempre constante ao longo do ano, independentemente de, por vezes, termos o frigorífico mais cheio ou mais vazio, até porque assumir isso é um erro”. O conselho passa por manter o frigorífico numa temperatura entre os 0º e os 4ºC, com o congelador numa temperatura entre os -15º e os -18ºC, ao longo de todo o ano.

6) Colocar os alimentos por andares:

Nem sempre se sabe, mas o frigorífico, estando a uma temperatura constante, pode ter níveis de temperatura diferentes, consoante as prateleiras mais para cima, ou mais para baixo. “Nos níveis superiores devemos colocar aquilo que já foi previamente cozinhado, juntamente com as ervas aromáticas, deixando os frescos para outras prateleiras”;

7) Mas… nem tudo precisa de ir para o frio:

Há um outro erro comum, que é o de colocar tudo dentro do frigorífico, sobretudo durante o verão, com o pensamento de que “assim conserva-se melhor”. Desde as batatas, aos tomates, passando pelas bananas, estes são alguns exemplos de produtos que devem ser conservados no exterior, em lugar próprio. “Há que saber libertar mais espaço no frigorífico, que é uma necessidade tantas vezes comum”.

| Fonte: Sic Mulher, 03 Set 2021