Desperdício alimentar por país: quem é o maior desperdiçador?

16 Dezembro 2020 IFCO



Demasiados alimentos que são produzidos para consumo humano vão para o lixo. Mas será verdade que globalmente um terço dos nossos alimentos nunca é consumido? Enquanto cada país enfrenta as suas próprias batalhas contra o desperdício de alimentos, a escala do problema varia de país para país. Quem são os maiores países de desperdício alimentar do mundo?



Medir a perda alimentar por país


As perdas alimentares ao longo da cadeia de abastecimento alimentar variam consideravelmente de uma região para a outra. Nos países em desenvolvimento, por exemplo, tende a ocorrer nas fases iniciais da cadeia de abastecimento alimentar. Isto é frequentemente devido a limitações nas técnicas de colheita, armazenamento e infraestruturas de transporte.


É por isso que vemos isso em:

  • Na Austrália e Nova Zelândia, 5-6% de todos os alimentos são perdidos ao longo da cadeia de abastecimento.

  • Na Ásia Central e do Sul, esse número dispara até 20-21%.

  • Na Europa e América do Norte, a perda alimentar soma cerca de 16%.

Tais diferenças indicam que a perda alimentar precisa de ser combatida predominantemente a nível nacional e regional. As soluções irão variar e dependerão também fortemente das condições locais, dos produtos, das infraestruturas de transporte e do comportamento dos consumidores. Muitas ideias inovadoras para eliminar os resíduos alimentares e agrícolas já foram transformadas em soluções práticas. As melhores confirmam que não é suficiente concentrar-se apenas nas médias globais. No entanto, as melhores práticas incluem sempre medidas robustas para garantir a segurança alimentar ao longo de toda a cadeia de abastecimento.


Será que os consumidores desperdiçam realmente o máximo de alimentos?



Os retalhistas e consumidores continuam a deitar fora alimentos perfeitamente comestíveis. Isto é especialmente verdade para os países industrializados. Contudo, a complexidade do desperdício alimentar impede uma comparação clara e direta entre os consumidores de diferentes países. Infelizmente, os resíduos alimentares são medidos e apresentados de diferentes formas em diferentes países. No entanto, existem algumas estatísticas interessantes sobre resíduos alimentares que são importantes de destacar.



Estados Unidos


Os consumidores deitam fora coletivamente mais do que todos os retalhistas juntos nos EUA. No total, os lares privados dos EUA desperdiçam cerca de 43% de todos os alimentos. Segundo Save the Food", uma campanha de serviço público nacional, isto poderia traduzir-se numa perda financeira anual de 1.500 dólares para uma família de quatro pessoas. De facto, mais de 40 milhões de toneladas (36 milhões de toneladas) de alimentos acabam todos os anos em aterros, no valor de mais de 161 mil milhões de dólares (135 mil milhões de euros).



União Europeia


Devido à falta de dados consistentes para todos os estados membros da UE, calcular números para a Europa por país é complicado. As estimativas globais mais recentes dos níveis de resíduos alimentares europeus provêm do projeto EU FUSIONS (Food Use for Social Innovation by Optimising Waste Prevention Strategies). Revela que mais de 50% dos resíduos alimentares comestíveis e não comestíveis na UE provêm de lares privados. Ascende a 47 milhões de toneladas de resíduos, com um custo de 98 mil milhões de euros por ano.



Reino Unido


Os resíduos alimentares domésticos no Reino Unido representam 70% de todos os resíduos alimentares comestíveis, de acordo com o WRAP, uma instituição de caridade britânica. Os agregados familiares britânicos ainda desperdiçam 4,5 milhões de toneladas de alimentos por ano que poderiam ter sido consumidos, no valor de £14 mil milhões (11,7 mil milhões de euros).



austrália


O governo estima que a Austrália desperdiça um total de 7,3 milhões de toneladas de alimentos por ano, o que custa à economia cerca de A$20 mil milhões (12,4 mil milhões de euros) anualmente.



China


Os consumidores chineses nas maiores cidades do país desperdiçaram 17 a 18 milhões de toneladas de alimentos em 2015, o que é suficiente para alimentar 30 a 50 milhões de pessoas na China durante um ano, escreve o People's Daily Online.



Quais são os países que desperdiçam menos alimentos?



França


Para além de se orgulhar da sua reputação como nação gourmet, a França pode também orgulhar-se do seu historial na repressão do desperdício alimentar. O país tem ganho repetidamente o primeiro lugar no Índice de Sustentabilidade Alimentar. Este inquérito regular classifica mais de 60 países de acordo com os seus desperdícios alimentares, práticas agrícolas sustentáveis e registo em saúde e nutrição. De acordo com o último inquérito, os consumidores em França desperdiçam 67,2 kg de alimentos por pessoa por ano, em comparação com 95,1 kg nos EUA, 87,1 kg na Bélgica e 78,2 kg no Canadá.



Reino unido


Embora os números para o Reino Unido ainda sejam elevados, o país fez progressos. De facto, o Reino Unido é o primeiro país a conseguir mais de metade do caminho para cumprir a Meta 12.3 do SDG de reduzir para metade os resíduos alimentares até 2030. Um feito que lhe valeu uma menção honrosa no Champions 12.3 Food Loss and Waste: 2020 Progress Report. Entre 2007 e 2018, o Reino Unido reduziu os seus níveis nacionais em 27%. A chave do sucesso do Reino Unido tem sido o empenho dos supermercados e da indústria alimentar. Enquanto os programas de educação do consumidor, incluindo Love Food, Hate Waste, também desempenharam um papel.

Os factos-chave sobre os resíduos alimentares em todo o mundo


Em 2011, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) publicou um relatório perspicaz, mas condenatório intitulado Global Food Losses and Food Waste. Na altura, o estudo da FAO estimou que cerca de um terço dos alimentos do mundo era desperdiçado todos os anos. Isto somava 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos desperdiçados anualmente e um custo de quase um trilião de dólares americanos. O relatório considerou subsequentemente a redução do desperdício alimentar como uma prioridade.


A meta para 2030


Mais significativamente, o relatório da FAO desempenhou um papel fundamental na sensibilização para o problema. Como resultado, em 2015, a ONU incluiu uma meta de perda alimentar e de redução de resíduos como um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável do mundo. Este Objetivo 12.3 do SDG apela ao mundo para reduzir para metade o desperdício alimentar per capita até 2030. Além disso, Champions 12.3, uma coligação internacional que inclui 30 líderes seniores de governos, empresas e instituições de investigação, procura motivar a comunidade global a fazer mais para enfrentar o problema.


No entanto, hoje, quase cinco anos depois, esse ambicioso objetivo de reduzir o desperdício alimentar para metade continua a parecer esquivo em todas as regiões do globo. Considerando as estatísticas de resíduos alimentares por país, é evidente que os números globais de hoje ainda são demasiado elevados.



Cálculo dos resíduos alimentares por país


Enquanto os números globais da FAO de 2011 continuam a ser citados em muitos relatórios noticiosos e estudos de acompanhamento, a FAO sempre deixou claro que estes números representam apenas uma ampla estimativa da escala do problema. O cálculo dos resíduos alimentares per capita por país é um processo mais complexo.


Uma forma de ver a questão é através da lente de quanto alimento é desperdiçado, per capita, por país, bem como em que parte da cadeia de abastecimento que ocorre para várias regiões. Tal perspetiva pode ajudar-nos a compreender melhor as causas do desperdício alimentar. Além disso, pode informar melhor os nossos esforços para assegurar que mais da colheita encontre o seu caminho para a mesa. Mas não é fácil perguntar.


A complexidade e gravidade desta tarefa levou a FAO e o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) a juntarem-se numa tentativa de calcular estimativas mais precisas. Para dar uma visão mais clara do problema global, eles diferenciam entre "perda alimentar" e "desperdício alimentar". Consequentemente, existe um índice separado para cada um.



Índice de perdas alimentares


O Índice de Perda de Alimentos analisa o que se perde durante a produção ou na cadeia de abastecimento alimentar antes dos alimentos chegarem aos retalhistas.




Índice de perdas alimentares


O Índice de Resíduos Alimentares concentra-se nos alimentos que são deitados fora no final da cadeia de abastecimento pelos retalhistas e consumidores.


Embora o Índice de Resíduos Alimentares seja ainda um trabalho em curso, o primeiro Índice de Perdas Alimentares está incluído no último relatório anual da FAO, The State of Food and Agriculture 2019.


As estimativas iniciais indicam que, em média, cerca de 14% dos alimentos do mundo são perdidos entre a colheita e o retalho. Em geral, perde-se mais fruta e vegetais ao longo da cadeia global de abastecimento do que qualquer outro item alimentar. Talvez sem surpresas, dada a sua natureza perecível.

O que tem impacto na redução do desperdício alimentar?


Tal como as razões que nos levam a esbanjar alimentos são complexas, o mesmo acontece com as soluções. Os objetivos ambientais podem servir de quadro geral para apoiar a ação coletiva no sentido de reduzir para metade os resíduos alimentares até 2030, incluindo o objetivo 12.3 do SDG. No entanto, o sucesso dependerá de uma abordagem holística e multifacetada, bem como de iniciativas governamentais.


Exemplos recentes incluem a Estratégia da UE "Farm to Fork" a partir de maio de 2020 e a Estratégia Nacional de Resíduos Alimentares da Austrália. Ambas têm o objetivo de reduzir os resíduos alimentares para metade até 2030. Principalmente, estes programas fornecerão apoio, aconselhamento e instrumentos financeiros para facilitar a transição para sistemas alimentares mais sustentáveis.


A França, pelo contrário, adotou uma linha muito mais estrita. Introduziu legislação em 2016 que exigia que os supermercados redistribuíssem os alimentos comestíveis pelos bancos alimentares e instituições de caridade. Os gestores que infringem a lei arriscam-se a uma pena de dois anos de prisão e a multas substanciais. Talvez um sinal de que simplesmente tentar empurrar os consumidores e as empresas na direção certa não seja suficiente para provocar as mudanças necessárias.



A hierarquia dos resíduos


Evitar eficazmente o desperdício alimentar ao longo da cadeia de abastecimento e em todos os nossos lares pode resultar num cenário em que todos ganham. A redução para metade do desperdício alimentar poderia ajudar a satisfazer a procura de nutrição da nossa crescente população. E também minimizar os efeitos ambientais negativos da agricultura.


Salve vidas, reduza os custos e ajude a proteger o planeta para as gerações futuras.


Colocar a prevenção de resíduos no topo das nossas prioridades significa ter de lidar menos com a eliminação de alimentos no final. Os aterros de resíduos alimentares são uma importante fonte de gás metano, o que também contribui para as alterações climáticas.


Os elementos chave de qualquer solução robusta envolverão embalagens mais sustentáveis para garantir a segurança alimentar ao longo da cadeia de abastecimento. Particularmente durante o transporte, a utilização de embalagens reutilizáveis (RPCs) poderia reduzir ainda mais as perdas e desperdícios alimentares. Acima de tudo, um claro entendimento e compromisso com a economia circular será fundamental para o sucesso em prol do ambiente.



Fonte: IFCO

138 views