Combater o desperdício alimentar nos EUA, independentemente da estação do ano


Green Savers



Todos os anos, desperdiçamos 1,4 mil milhões de toneladas de alimentos a nível mundial. Os Estados Unidos são os que mais contribuem, com 40 milhões de toneladas de resíduos alimentares, o que representa cerca de 219 libras de resíduos por pessoa. Atualmente, os resíduos alimentares são a principal forma de desperdício em aterros sanitários nos Estados Unidos. As famílias são responsáveis por 43% destes resíduos, enquanto os restaurantes e mercearias contribuem com mais 40%. A época do ano também tem impacto sobre a quantidade de alimentos desperdiçados. Entre o Dia de Acão de Graças e o Ano Novo, os resíduos alimentares aumentam até 25%. Mas porque é que há tanto desperdício? O que podemos fazer a este respeito?



Porque é que há tanto desperdício alimentar nos Estados Unidos?



Rótulos de validade mal-entendidos


Segundo o “Inhabitat”, uma das principais razões pelas quais há tanto desperdício alimentar é devido a rótulos de validade mal interpretados. Dependendo do produto, pode ser utilizada uma gama de nomenclatura, incluindo “vender por”, “expira em” ou “melhor por”. Estudos mostram que mais de 80% dos americanos descartam alimentos perfeitamente bons porque não compreendem os rótulos de validade. Em vez disso, numa tentativa de prevenir doenças de origem alimentar, deitam fora produtos baseados nestes rótulos arbitrários.


A fórmula para bebés é o único produto que o Departamento de Agricultura dos EUA exige que tenha uma validade. Caso contrário, os fabricantes não são obrigados a fornecer datas de validade ou de utilização. Esta falta de regulamentação torna difícil a interpretação por parte dos consumidores.


Há duas razões pelas quais os produtores continuam a utilizar datas de validade. A primeira razão é que a sociedade se habituou a verificar estas datas nos produtos e são úteis para os supermercados garantirem que as prateleiras são armazenadas por lote de produtos. A segunda razão é que os fabricantes preferem dar uma garantia de até quando é melhor consumir os seus produtos.


Desta forma, “não podem ser responsabilizados” se os produtos ficarem envelhecidos ou secos. Embora os produtos ainda sejam comestíveis, não terão a mesma qualidade que quando foram produzidos. Seguir estas datas arbitrárias “leva a quantidades excessivas de resíduos alimentares, o que pode ser evitado examinando cuidadosamente os alimentos antes de os deitar fora”.



Produtos de aparência estranha


Os produtos que não têm uma forma perfeita, têm marcas, e são estranhamente dimensionados ou descoloridos são frequentemente deitados fora mesmo antes de deixarem a quinta. Estas frutas e legumes não cumprem as normas do mercado e representam 20-40% do total dos produtos colhidos. Nos supermercados, os produtos que são embalados, mas têm uma aparência um pouco diferente têm uma maior probabilidade de não serem comprados em comparação com outros produtos, independentemente da sua qualidade. Isto resulta num desperdício excessivo de alimentos frescos que são seguros e saudáveis para comer, mas que parecem “feios”.



Comprar e/ou cozinhar alimentos em excesso


Apesar das taxas crescentes de insegurança alimentar na América e dos fatores que para ela contribuem (como a inflação e os problemas da cadeia de abastecimento), os Estados Unidos e outros países desenvolvidos são os principais contribuintes para o desperdício alimentar global.


Particularmente durante a época de festas, um fator chave que entra em jogo é a compra ou cozedura de quantidades excessivas de alimentos. Ao sobrestimar a quantidade de alimentos que vão comer e comprar impulsivamente, os alimentos e os produtos tendem a ficar sem comida. Restos e restos de comida que podem ser consumidos ou compostados são também deitados fora, o que agrava ainda mais as implicações negativas dos resíduos alimentares no planeta.



Repercussões económicas e ambientais


Considerando que entre 30-40% do abastecimento alimentar dos EUA é desperdiçado todos os anos, há várias repercussões na economia e no ambiente. Globalmente, os alimentos são responsáveis por 11% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa. No entanto, os impactos ambientais negativos aumentam com os resíduos alimentares nos aterros sanitários. Quando os alimentos são deitados fora, contribuem para a poluição por azoto. Isto provoca o florescimento de algas e zonas mortas que perturbam os ecossistemas locais.

Para além dos danos ambientais, o desperdício de alimentos também significa desperdício de dinheiro. Todos os anos, nos Estados Unidos, são desperdiçados alimentos no valor de 218 mil milhões de dólares, e a maior parte deles inclui produtos lácteos. De facto, a família média nos Estados Unidos deita fora anualmente 1.600 dólares de produtos no valor de 1.600 dólares. Ao combater o desperdício de alimentos, podemos limitar os danos ao nosso ambiente e às nossas carteiras.



Como combater o desperdício alimentar


Mas como resolver o problema crescente do desperdício alimentar? O “Inhabitat” sugere três estratégias fáceis de implementar.


  1. Verifique os seus alimentos!

Observar alterações na textura, sabor ou cheiro dos alimentos é uma forma simples de detetar sinais de deterioração de microrganismos que ocorrem naturalmente. Estes incluem bactérias, leveduras, ou bolores que se decompõem em artigos perecíveis. Embora possam ser prejudiciais, é pouco provável que façam com que os indivíduos fiquem muito doentes.

No entanto, ao contrário dos microrganismos que ocorrem naturalmente, as bactérias patogénicas podem fazer com que as pessoas fiquem bastante doentes. As bactérias patogénicas provêm do maltrato e da contaminação. Não afetam tipicamente a aparência, cheiro ou sabor dos alimentos. Para combater isto, é importante assegurar que os alimentos que se comem são manuseados corretamente – pelo menos dentro do seu controlo. Isto inclui o armazenamento dos alimentos a temperaturas adequadas e a prevenção da contaminação cruzada – por exemplo, carnes cruas que tocam outros alimentos que comerá crus.


  1. Mantenha-se organizado

Planear as suas refeições com antecedência é uma forma fácil de evitar a compra excessiva de produtos frescos que poderá não necessitar. Isto pode incluir planear completamente as suas refeições com antecedência ou ter uma lista de mercearia que se manterá para uma viagem de compras específica, impedindo a compra de outros artigos desnecessários. Para armazenamento, é melhor armazenar a sua comida de uma forma simples e fácil de ver. Desta forma, é fácil utilizar os artigos que tem, classificá-los e rastrear o que precisa de ser reconstituído.


  1. Utilize restos de comida e restos de comida


O acabamento ou a compostagem rápida das sobras é crucial para limitar os desperdícios alimentares. A maximização dos restos de comida é também uma estratégia útil. Os restos e cascas vegetais podem ser transformados em caldos ou utilizados para fazer batatas fritas. Existem também vários recursos online que oferecem soluções para a utilização de restos de comida.


“Em geral, é necessário tomar muitas medidas para prevenir o desperdício excessivo de alimentos, particularmente nos EUA. Que medidas tomará para garantir que faz a sua parte?”, conclui o site.





|Fonte: Green Savers, 15 de Novembro 2022

0 views